sábado, 13 de novembro de 2010

De volta, ao final

Por que tudo parece ser o final? Quando na verdade. É só o começo. O começo de uma vida. O começo de um coração. A cada final de um ciclo. Parece que é o fim do mundo. Como se você não tivesse mais nada à fazer. Não tivesse mais ninguém à conhecer. Pelo contrário, meu caro. É aí que começa tudo. Outra vez. Na vida temos mais de uma formatura. Muitas delas passam em branco. E ficam esquecidas. Nem são citadas como formatura.

Hoje me inspirei. À escrever. O que não faz um pouco mais de uma hora em um ônibus. Sem nada para fazer. Além de sentir o vento no rosto. Ouvir música. E observar a paisagem. Há muitas coisas à serem feitas. Eu prefiro a reflexão. De momentos passados (antigos, muito antigos). Até os mais recentes (no máximo uma semana). Os entremeios deixo para quando se tornarem passado de verdade.

Pensei muito. Pensei no pouco. Até tentei ressuscitar antigas postagens. Algumas frases marcantes me vieram em mente. Algumas que o prazer de ouví-las. Já esgotou. À algum tempo. Outras que incansavelmente lembro. Relembro. E as vivo. Sempre! Acho que não são as palavras pronunciadas. Que evito ouvir. Mas, as vozes. Com as que eu leio. Que inevitavelmente. São as vozes de pessoas. Que pronunciaram. Ou que me fazem lembrá-las.

Tantas coisas acontecendo. Exemplo: Com tantas pessoas. Tantas provas (quatro). Justo eu. Fui pegar a prova amarela! (E-nem ficam vermelhos por isso!) Isso me fez lembrar uma piada: O significado das cores do semáforo em São Paulo: Vermelho: pare!; Verde: corra!; Amarelo: corra mais ainda! (!!) É, eu sei, ridícula. Mas, me fez rir. Em um de meus momentos de ócio. Outra coisa que tenho muito feito: Lido. Os irresistíveis HQ da Mafalda. Aquela gordinha. Política. Narcisista. Críticamente falando. Que eu amo! Me lembro muito das aulas do 'Carequinha bonitinho do meu coração'. Quando as leio.

Como sempre. Descambo. De assuntos. Não consigo focar. Em um. No máximo dois. Tudo que penso (se é que penso). Escrevo! Já disse minha mente é impressora e secretária eletrônica. E apesar de tudo isso (iço, neologismo, sim (!), pretendo ser um pequeno escritor!). Entenda como quiser. Como ia dizendo. Apesar de tudo iço. Não sei mais para quem é que canto minha músicas.


(Para os ignorantes de plantão: Narciso, mitologia grega, recusa a ninfa Eco, e como punição, foi amaldiçoado de forma a apaixonar-se por sua própria imagem refletida na água. Incapaz de conviver com sua paixão, suicidou-se por afogamento. Daí o termo 'narcisismo'. Mitologia grega é foda!)


(02:48) - Fuso horário de Elias Fausto!
"Diga a verdade
Ao menos uma vez na vida
Você se apaixonou
Pelos meus erros [...]
Somos o que há de melhor
Somos o que dá pra fazer
O que não dá pra evitar
E não se pode escolher [...]
Se eu tivesse a força
Que você pensa que eu tenho
Eu gravaria no metal da minha pele
O teu desenho". - 3x4.
Intérprete: Engenheiros do Hawaii [HG].

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Homossexual, sem vergonha

Descobri alguns novos leitores recentemente. Ficaria muito feliz que esses lêssem. Que não parassem no título. Forte. Que tivessem a coragem de seguim adiante.

Hoje estou fraco. Sensível. Emotivo. Há certas coisas que me arrepiaram. Por completo. Não queria deixa a exposição. Assim. Sem mais nem menos. Me senti indignado.Pelo dizeres. Pelos gestuais. De um cara que se diz dono da verdade. Quando se critica uma pessoa por ser negra. Está sendo racista? E quando se critica um homossexual?

Mas, ainda há coisas boas acontecendo. Não queria envolver política. Politicagem aqui. Mas, espero que a nova presidenta possa fazer algo que me faça sentir orgulho dela ter ganho. Não por mim. Por todos. Sei o quanto é difícil. Sim, eu sei. Levantar todas as manhãs frias. E ter coragen para seguir. Em frente. Perguntas que não são feitas. Por medos infantis. Medos de ouvirem uma resposta. Acima de tudo verdadeira!

Olhares indiferentes. É tudo isso que eu vejo. Eu disse que me arrepiei. Um pai libanês. Deixar de lado. Uma cruz religiosa. Por amor à uma filha. É notável. É louvável. Uma mãe dizer que ama a filha, transexual. Que antes era Jorge. Mediocridade minha se não citasse o grande pensador e dono da verdade. Pr. Silas Malafaia. Defensor de uma causa injusta e sem moralidade alguma. Não tenha medo de processos, meu caro. Tenha medo da verdade. Ela é bem mais assustadora.

Aos meus amigos. Sim. Peço desculpas. Aos meus familiares. Sim. Peço desculpas. Talvez. Por fazerem vocês passarem vergonha. Diante de pessoas que usam 'o casaco da moralidade'. E agradeço. Por fazerem de mim. Uma pessoa amada. E o mais importante. Por fazerem eu me sentir respeitado. Mãe e Pai. Seus sonhos podem ter sido destruídos. Ajudo vocês a contruírem novos. Junto comigo.

E àqueles que ainda tiverem alguma dúvida. Algum pé atrás. Alguma incerteza. Fica aqui. Registrado. Meus pesares. Meus solenes sentimentos. A verdade está aí. Estampada e escrita. Não é necessário ser muito inteligente. Indispensável burrice. E o que me deixa mais feliz. Ouvir de você. "Não importa que caminho você siga, que decisão tomará, eu sempre vou te amar, meu afilhado".

Abaixo um vídeo. Para reflexão. Meu querido professor. Aparecido Gomes Leal - Carequinha bonitinho do meu coração. Disse que "é muito romantizado, há textos mais críticos sobre a causa homossexual". Em resposta digo. No momento em que estou. No momento em que o mundo está. Não precisamos de críticas. Precisamos de amor.


video



(19:58) Sem música hoje.
Em vez disso algmas frases:
"O silêncio é um espião" - Mário Quintana.
"O silêncio é a virtude dos imbecis" - Francis Bacon.
"Silêncio: aquela insuportável réplica" - Arnaldo Antunes.

Louco e santo, bobo e sério, criança e velho

Hoje. Quero colocar. Um texto. De um escritor. Talvez pouco conhecido. Ou muito. Depende de suas referências. Escreve bem. Muito bem.

Referências: Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde, Oscar Wilde. Irlandês nascido em 16 de Outubro de 1854, Dublin. Sepultado em 30 de Novembro de 1900. Escritor. Com sobressalto helênico. Vamos ao trecho. Que me impressionou.


Loucos e Santos
"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessa os bons de espíritos nem os mau de hábitos.
Fico com aquele que faz de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e que aguentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazerm da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância outra metade velhice.
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que a 'normalidade' é uma ilusão imbecil e estéril."





À todos. Que um dia pude chamar de amigo. Até mesmo você que o tempo distanciou. Mas, não o suficiente para te apagar. Agora me diga você. Onde se encaixa? Louco ou Santo? Ou os dois. Uma certeza eu tenho. Seja qual for sua escolha. Não deixe. Que te façam mudar de idéia.

(01:49) "E em tudo o que eu faço
Existe um porquê
Eu sei que eu nasci
Sei que eu nasci pra saber [...]
Um belo dia vou lhe telefonar
Pra lhe dizer que aquele sonho cresceu
No ar que eu respiro
Eu sinto prazer
De ser quem eu sou
De estar onde estou
Agora só falta você." - Agora só falta você.
Intérprete: Rita Lee.